Todos Posts Marcados: estar

9 Plantas que podem melhorar a qualidade do seu sono

 

Conseguir dormir bem é essencial, para a maioria de nós, uma noite mal dormida tira toda a energia e a vitalidade para enfrentar as tarefas do dia seguinte, afetando a produtividade, o humor e a qualidade de vida.

Existem muitos fatores que influenciam em uma noite de sono, como a alimentação, o colchão, o travesseiro, o estilo de vida, o sedentarismo, entre outros.

Um desses fatores, é o ar que respiramos enquanto dormimos, e é justamente nesse fator que algumas plantas podem ajudar, atuando como relaxantes ou como purificadoras do ar.
Ao cultivarmos essas plantas em casa melhoraremos significativamente o ar que respiramos e, consequentemente, nosso sono, além de outros benefícios para nossa saúde, como por exemplo: alívio das dores de cabeça, redução da ansiedade e do estresse, melhoraria na produtividade, aumento das funções cerebrais, melhoria no humor e no estado de espírito e prevenção a doenças respiratórias.

Relacionamos abaixo algumas delas, confira:

Lavanda
A lavanda é uma ótima opção para quem sofre de estresse e ansiedade. Estudos mostram que o uso frequente do óleo essencial de lavanda como aromatizador ou inalação é capaz de diminuir a frequência cardíaca, relaxar e, consequentemente, melhorar a qualidade do sono. Além disso, o aroma reforça a sensação de frescor e pacificidade no ambiente. Para cuidar bem da lavanda, é necessário colocá-la em um lugar ensolarado.

Babosa (aloe-vera)
A babosa é uma das melhores opções em relação à qualidade do ar. Suas propriedades desintoxicantes e anti-inflamatórias se somam ao seu poder de gerar oxigênio, purificando o ar. Essa espécie tem a capacidade de eliminar substâncias químicas presentes em produtos de limpeza. Fácil de cultivar, a babosa não precisa ser regada constantemente, mas exige luz solar direta.

Jasmim
Além de ser uma bela opção de flor para usar na decoração, o jasmim tem um aroma que é relaxante natural. Ou seja, ele reduz a ansiedade e melhora o sono. Superfácil de cuidar, essa espécie deve receber bastante luz natural! Perfeito para ficar na janela do quarto.

Espada-de-São-Jorge
Aumentar o nível de oxigênio no ambiente durante a noite melhora a qualidade do sono. Algumas plantas liberam o elemento químico durante o dia e descansam durante a noite, mas a espada-de-São-Jorge nunca para o processo de purificação do ar! Ela é indicada para pessoas com problemas respiratórios, ajuda a prevenir dores de cabeça e irritações nos olhos. Além disso, essa planta é superfácil de cuidar, já que pode viver com qualquer luz e só precisa ser regada a cada duas semanas.

Lírio-da-paz
O lírio-da-paz é um purificador de ar natural, já que pode aumentar a umidade em até 5%. Assim, a espécie também ajuda a eliminar substâncias químicas e micróbios que causam alergias. Fácil de cuidar, o lírio precisa ficar em ambientes com pouca luz (ideal para quartos com janelas pequenas) e ser regado uma vez por semana.

Gardênia
Perfeita para os que nunca conseguem dormir rápido, a gardênia alivia a ansiedade e melhora a qualidade do sono, uma vez que o seu aroma libera um efeito sedativo. Além disso, essa adorável flor é perfeita para a decoração do quarto, com suas pétalas brancas e folhas brilhantes. A gardênia é um pouco mais complicada de cultivar do que as opções anteriores. Por ser muito delicada, ela exige atenção! É necessário deixá-la em ambientes iluminados, mas nunca em luz solar direta, já que suas folhas podem queimar.

Hera
A hera é uma das melhores opções para quem sofre de problemas respiratórios. Por absorver toxinas perigosas que podem estar presentes no ar (como formaldeído e benzeno), e reduzir a quantidade de mofo de um ambiente, ela age como um purificador, reduzindo alergias e irritações pulmonares. As folhas da hera devem crescer para baixo, então a melhor maneira de cultivá-la é em uma cesta suspensa. Por ser tóxica para crianças e animais de estimação, mantenha-a fora de alcance.

Clorófito
Muito parecida com a espada de São Jorge, o clorófito também é indicada para a limpeza do ar. Essa planta absorve odores e fumaça e mantém os níveis de oxigênio do ambiente bastante altos, auxiliando na melhora do sono. O seu cultivo é muito fácil: basta deixá-lo em espaços iluminados e regar uma vez por semana (tomando cuidado para não deixar muito encharcado).

Gérbera
Essa espécie será eternamente favorita entre as plantas usadas para arranjos alegres. Só de imaginar o efeito ensolarado que ela tem com certeza já ajudará seu sono. Além de linda, a gérbera remove a substância tóxica benzeno, absorve dióxido de carbono e liberam oxigênio, o que pode tornar mais fácil para você respirar. Apenas certifique-se de mantê-la em um local ensolarado.

Fonte: Revista Casa e Jardim

Veja mais

Como dormir melhor quando você está muito estressado

Desacelerar depois de um dia corrido e estressante não é uma tarefa fácil.
Com a ansiedade lá em cima – seja devido ao ciclo interminável de notícias negativas, longas horas de trabalho ou problemas familiares, entre outras questões , O seu sono pode ser impactado diretamente.
Afinal, quem nunca perdeu o sono pensando em preocupações do dia a dia?

Estes são alguns dos sintomas da insônia aguda, uma das consequências de uma rotina estressante.
É mais comum do que você imagina.
Segunda Nancy Foldvary Schaefer, diretora do centro de distúrbios do sono da Cleveland Clinic, esse problema pode acontecer após uma grande mudança ou um novo emprego, por exemplo.

De acordo com ela, criar hábitos produtivos, definir expectativas certas, limpar sua mente e relaxar são algumas estratégias que você pode adotar para abolir o problema da insônia, mas não para por aí.
Por isso, confira algumas de suas dicas para o site Health:

Pense nos seus problemas o mais cedo possível

Escolha outro momento e lugar para pensar nas suas preocupações.
Não deixe para lidar com elas pouco antes de dormir.
“Pense nisso mais cedo e longe do seu quarto”, diz Nancy.
Escrever o que você está sentindo também pode funcionar.
Mas não se esqueça de fazer isso em um local que não seja seu quarto.
Segundo ela, o hábito de remoer suas preocupações na cama pode transformar insônia aguda em insônia crônica.

Preste atenção no ambiente do seu quarto

Quanto melhor for o ambiente em que você dorme, melhor será seu descanso.
“Certifique-se de que a temperatura está correta – prefira o meio termo, não muito quente nem muito frio”, diz Nancy. “E escolha também um colchão e travesseiros confortáveis.”

Ainda no seu quarto existem outros detalhes que podem influenciar negativamente seu sono, como um companheiro que ronca excessivamente ou um animal de estimação que costume escalar sua cama durante a noite.
“Mesmo que esses pequenos elementos não te incomodassem antes, podem estar tirando seu sono agora e você nem se deu conta disso.”

Elimine da sua dieta todas as fontes de cafeína e álcool

Algumas pessoas são mais sensíveis a doses de cafeína do que outras e você pode ser uma delas.
Então, observe o quanto você está consumindo e quando. Talvez seja necessário parar de tomar café a partir de um determinado momento do dia, preferencialmente depois das 14h, ou até mais cedo se perceber que é necessário.
O chá verde, o chocolate, refrigerante e até mesmo alguns analgésicos também podem interferi no seu sono.
Eles são fontes ocultas de cafeína e, segundo Nancy, pode ser preciso parar de consumi-los depois das 14h, assim como o café.

“Outro grade problema é o álcool”, diz a especialista.
Muitas pessoas acreditam que o álcool ajuda a dar mais sono, mas há grandes chances de você perder a vontade de dormir no meio da noite.
Em 2011, um estudo descobriu que, principalmente entre as mulheres, aquelas pessoas que consumiam álcool dormiam com mais facilidade, mas por um tempo bem menor e com um sono menos profundo.

Se você acordar durante a noite, não fique por muito tempo na cama
Além de bloquear sua capacidade de adormecer, é possível que o seu estresse faça você acordar durante a noite.
Nancy recomenda nunca deite na cama por mais de 20 minutos apenas para espairecer.
Isso pode fazer com que você comece a pensar nos seus problemas.
Por isso, quando perder o sono no meio da noite levante e faça algo relaxante ou que você considere chato, e que acabe te dando sono.
“Não ligue a TV e nem leia um livro que você sabe que não conseguirá parar de ler”, diz ela.
Ficar olhando as horas também é um hábito ruim de se fazer quando está com insônia.
Olhar para o relógio pode te deixar ainda mais ansioso

Se a insônia continuar, procure um médico

Se a insônia durar mais de três meses, é necessário procurar um médico para tomar os devidos cuidados.
“Os médicos têm estratégias sensatas para lidar com a insônia.
Eles podem encaminhá-lo para um especialista em distúrbios de sono ou para terapeutas.
” Mas segundo ela, nem todos pensam assim.
“Muitos preferem recorrer a remédios que induzem o sono”, explica.
Para Nancy, o melhor é experimentar mudanças comportamentais antes de qualquer medida drástica.
“Algumas pessoas querem uma saída rápida, mas elas não mudam nem o básico antes.”

Fonte: epocanegocios.globo.com/Vida/

Veja mais

A experiência de sonhar fora do corpo: EFC

EFC – Experiência Fora do Corpo – é um fenômeno que ocorre quando nos deslocamos para fora do corpo físico, o soma, empregando para tal um outro corpo, extrafísico, composto por outro tipo de matéria, mais sutil, em outra escala vibratória daquela que conhecemos.

Todas as pessoas tem EFCs. Isso se dá naturalmente quando dormimos, pois, as diferenças vibratórias que surgem entre os diversos corpos, em virtude do relaxamento provocado pelo sono, produzem uma descoincidência natural e também necessária para o completo refazimento do soma que repousa.

Por ser um fenômeno universal, independente de raça, sexo, idade ou condição ética, as EFCs receberam muitas denominações ao longo do tempo, sem as mais conhecidas no Brasil: projeção da consciência, projeção astral, viagem astral, desdobramento e arrebatamento.

A maioria das pessoas nunca se dá conta disso. Algumas pessoas, contudo, as vezes, despertam fora do corpo físico ou durante o processo de descoincidência/reco incidência. São pegas assim em situações para as quais não foram educadas ou preparadas, pois, estudar fenômenos com as EFCs ainda não faz parte das lições básicas de vida em nosso mundo. Sofrem, por isso, passando por estados que variam da curiosidade ao medo e pânico. Não é raro pensar-se que está enlouquecendo. No Brasil, país de muitos católicos, é comum encontrar pessoas que fizeram promessas para não mais passarem pelo terror de se verem fora de seus corpos.

Dúvidas Comuns Sobre EFCs

A dúvida mais frequente dos iniciantes em EFCs é se existe algum perigo na mesma. O maior perigo dessa experiência é o desmontar a concepção sobre a vida e o universo que nos é imposta pela sociedade materialista em que vivemos, tornando-nos mais lúcidos sobre tudo. Você consegue imaginar algo mais “subversivo” do que isto? Com relação a problemas para a saúde ou para a vida, não existem casos registrados de pessoas que morreram porque se projetaram. Isso apesar de mais de 100 anos de literatura dedicada ao assunto. A ausência de relatos não significa que não seja possível uma pessoa morrer estando fora do corpo. Se as pessoas morrem dormindo, é natural que morram também durante uma EFC. Mas nesse caso, trata-se da morte natural que ocorreria seja lá qual fosse o estado de manifestação em que a consciência estivesse. A morte do corpo físico nada mais é do que uma EFC definitiva, sem retorno ao corpo físico. Pode-se dizer, portanto, que as EFCs são uma preparação para a morte. O que você prefere: saber o que vai encontrar ou encarar o desconhecido as escuras?

Pessoas completamente despreparadas e com alto índice de projetabilidade, o que pode ocorrer na infância ou adolescência, podem ficar perturbadas e ser encaradas como doentes mentais, sendo internadas em clínicas e submetidas a tratamentos com psicotrópicos que acabam por destruir sua capacidade cognitiva. Para esses casos, o melhor tratamento é uma educação adequada quanto às EFCs, como controlá-la e usá-la em seu benefício.

Muitas pessoas tem medo de ter EFCs e não conseguirem voltar ao corpo. Na realidade, durante uma EFC, permanecemos conectados por um poderoso elo energético, nem sempre visível, frequentemente denominado cordão de prata, que torna inevitável a volta da consciência ao corpo. Ao contrário do que se pensa, o problema não é “como voltar ao corpo” e sim “como não voltar de imediato”, pois as EFCs conscientes para a maioria das pessoas são raras e muito rápidas pois o corpo físico nos puxa de volta o tempo todo.

Outro medo muito comum é o de que alguém tome nosso copo físico enquanto estamos projetados. Isso na realidade não pode ocorrer pois a simples aproximação de uma consciência extrafísica do nosso corpo físico, quando projetados, já é suficiente para provocar a imediata reinteriorização.

Níveis de Consciência e Lucidez

Ter EFCs não significa estar sempre consciente.

Existem níveis de EFCs com relação à lucidez da experiência.

De um modo geral, elas podem ser classificadas como:

EFC Inconsciente: A consciência não sabe que está ou que esteve projetada.

EFC Semiconsciente: A consciência oscila entre a lucidez e a inconsciência.

EFC Consciente: A consciência sabe que está fora do corpo

Durante EFC inconsciente temos o sono, sonhos e pesadelos.

Durante a EFC semiconsciente, podemos misturar sonhos (criações internas, puramente mentais) e a realidade extrafísica.

A EFC semiconsciente é mais conhecida como sonho lúcido.

Na EFC consciente, sabe-se que está fora do corpo físico sem sombra de dúvidas. Mesmo nesse estado, o grau de lucidez varia muito, podendo ser genericamente classificado da seguinte maneira:

40% de lucidez: A qualidade do pensamento e das percepções deixam a desejar

60% de lucidez: É possível pensar e agir quase normalmente

80% de lucidez: Equivale ao estado da vigília física, quando estamos despertos e atentos

100% de lucidez: Estado de superconsciência; EFC de corpo mental com todas as capacidades potencializadas.

fonte: metaconsciencia.com

 

Veja mais

Como identificar uma boa noite de sono ?

Os principais fatores que devemos observar para descobrir se o nosso descanso foi de qualidade ou não, segundo a ciência

“Dormiu bem hoje?”. De tão corriqueira na beira da cama, essa pergunta mal desperta nossa atenção. Mas já parou para pensar como, no fim das contas, é difícil responder com exatidão se uma noite de sono foi mais reparadora do que a anterior?

Caso nunca tenha refletido sobre o assunto, fique tranquilo: pesquisadores holandeses resolveram desvendar o mistério. Por duas semanas, eles registraram os relatos subjetivos sobre a qualidade do sono de 50 voluntários. Ao mesmo tempo, consolidaram os dados de um dispositivo eletrônico que, colocado no pulso das pessoas, estima a profundidade do descanso.

Divulgado no periódico Behavioral Sleep Medicine, o artigo científico que resultou dessa investigação destaca dois fatores essenciais para levarmos em conta na hora de definir se o sono foi bom ou não. São eles: o número de vezes que a pessoa acordou na madrugada e o total de minutos (ou horas) que passou de olhos abertos no meio da noite. Faz sentido, não?

E tem mais! Um relatório de janeiro deste ano, realizado pela Fundação Nacional do Sono, dos Estados Unidos, valeu-se da opinião de especialistas para apontar os principais indicativos de que um adulto está dormindo mal. São quatro:

Demorar mais de uma hora para cair no sono
Acordar (mesmo que brevemente) quatro ou mais vezes durante a noite
Passar menos de 74% do tempo deitado na cama dormindo
Ficar mais de 41 minutos acordado no meio da noite
E aí, identificou-se com algum dos itens? Quem sabe seja preciso pensar mais na qualidade do seu sono!

fonte: saude.abril.com.br

Veja mais